Política Monetária: entenda isso e mude a sua vida!

Embora muitas pessoas ainda não saibam como ela funciona, a Política Monetária é fundamental para o desenvolvimento da estrutura financeira do nosso país.

Ela possui uma alta representatividade em nosso dia a dia e é de extrema importância para a nossa gestão financeira.

Mas afinal, o que é Política Monetária?

Política monetária é o conjunto de medidas adotadas por um governo para promover o controle da quantidade de moedas em circulação.

Para gerir a economia, as autoridades do nosso país utilizam alguns instrumentos de política monetária. São eles: depósito compulsório, redesconto e open market.

Esta política pode ser dividida em dois grandes grupos: Política Monetária Expansionista (aumento da oferta de moeda em circulação e redução da taxa básica de juros) e Política Monetária Contracionista (aumento da taxa básica de juros e diminuição de moeda em circulação).

Para que serve a Política Monetária?

Ela é importante para conter e superar crises. Seu principal objetivo é manter a inflação sob controle. “A estabilidade dos preços preserva o valor do dinheiro, mantendo o poder de compra da moeda.” (Banco Central)

Como ela funciona?

No Brasil, o CMN (Conselho Monetário Nacional) é o responsável por fixar a meta da inflação para um determinado ano e cabe ao Banco Central, através dos instrumentos de política monetária, cumpri-la.

É aí que o Comitê de Política Monetária – Copom, entra em jogo!

Ele é um órgão constituído no âmbito do Banco Central e tem como objetivo, traçar e acompanhar a política monetária do nosso país. Este Comitê se reunirá a cada 45 dias e determinará a taxa básica de juros, a taxa Selic Meta.

Suas decisões influenciarão no controle da oferta de moeda e concessão de créditos, por exemplo. Ou seja, impactarão em nosso poder de compra, no preço das mercadorias e até mesmo no valor dos serviços disponibilizados no país.

Resumindo, suas ações irão contrair ou estimular o nosso consumo!

Atual cenário brasileiro

Para o ano de 2022, a meta de inflação definida pelo CMN é de 3,50%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Acontece que atualmente “estouramos” essa meta e sentimos os impactos no bolso!

Com isso, vivemos um cenário de Política Monetária Contracionista, onde o Copom tem elevado a taxa Selic Meta sucessivamente em suas reuniões e o Banco Central, atuado diretamente no controle do consumo visando o equilíbrio econômico.